Pages Menu

Notícias recentes

Embargo da UE derruba exportação brasileira de carne de frango

As exportações brasileiras de carne de frango, incluindo produtos in natura e processados, totalizaram 1,61 milhão de toneladas de janeiro a maio deste ano, segundo levantamento da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa as empresas do setor. O resultado corresponde a uma queda de 8,5% em relação ao mesmo período de 2017, quando foram exportadas 1,75 milhão de toneladas.

Em termos financeiros, as vendas de carne de frango para o exterior alcançaram US$ 2,602 bilhões, de janeiro a maio de 2018, um saldo 12,3% menor que os US$ 2,966 bilhões registradas nos cinco primeiros meses do ano passado.
De acordo com a ABPA, as vendas de carne de aves para os países da União Europeia (UE) tiveram uma queda de 40% no período analisado. Enquanto nos cinco primeiros meses deste ano o volume embarcado para a UE foi de 92,5 mil toneladas, no mesmo período de 2017 tinha sido de 151,8 mil toneladas. São efeitos diretos da suspensão, pela Comissão Europeia, em abril, das importações de proteína animal, especialmente de carne de frango, de pelo menos 20 unidades frigoríficas do Brasil.

Leia mais

Em viagem para reunião do BRICS, Maggi vai tratar de embargos da China e Rússia

Dos ministros do grupo, também vai cobrar preferência mínima no comércio entre os países

Em viagem para reunião dos ministros da Agricultura dos BRICS na África do Sul, o ministro Blairo Maggi disse que aproveitará para tratar “de duas conversas que incomodam”, segundo ele, com representantes da China e da Rússia. No caso da China, se trata de embargo à importação de frango sob a alegação de prática de dumping e, da Rússia, de carne que teria a presença de ractopamina.

“Todos os pleitos que a Rússia tinha com o Brasil foram atendidos”, disse o ministro. Da China, segundo ele, está vindo uma missão checar números em visita a três plantas brasileiras, onde pretendem conhecer os custos de produção. “Eles alegam que praticamos dumping, usando preços mais baixos de produção, o que não é verdadeiro. O Brasil é muito competitivo, tem a produção barata de ração, no caso farelo de soja e milho”.

Leia mais

Inscrições para feira de Istambul e Fruit Attraction terminam dia 30

MAPA e MRE são responsáveis pelos custos do espaço na feira, montagem de estandes, apoio de recepcionistas bilíngues e confecção do catálogo do Pavilhão Brasil

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) organizará a participação brasileira em três importantes feiras internacionais previstas para o segundo semestre deste ano, a WorldFood Istanbul 2018, em Istambul, a Fruit Attraction 2018, em Madri, e a SIAL Middle East 2018, em Abu Dhabi. De acordo com o coordenador Geral de Investimentos e Cooperação da Secretaria de Relações Internacionais do ministério, Rodrigo da Matta, a participação em feiras internacionais é uma ferramenta estratégica para empresas que buscam novos negócios e diversificação de mercados.

Rodrigo da Matta observa que as feiras funcionam como plataformas que reduzem custos transacionais, ao reunirem num mesmo ambiente um grande número de atores do mercado internacional, dando visibilidade às empresas e aos seus produtos, otimizando contatos e o conhecimento do ambiente de negócios e das tendências de produtos e serviços.

Leia mais

Balança comercial: terceira semana de junho tem superávit de US$ 1,970 bi

No ano, vendas externas totalizam US$ 104,066 bilhões e compras, US$ 76,994 bilhões, com saldo positivo de US$ 27,072 bilhões

Na terceira semana de junho, a balança comercial brasileira teve superávit de US$ 1,970 bilhão – resultado de exportações de US$ 5,571 bilhões e importações de US$ 3,600 bilhões. No mês, as exportações chegam a US$ 10,434 bilhões e as importações, a US$ 7,535 bilhões, com saldo positivo de US$ 2,899 bilhões. No acumulado do ano, as vendas externas totalizam US$ 104,066 bilhões e as compras, US$ 76,994 bilhões, com superávit de US$ 27,072 bilhões.

A média das exportações da terceira semana (US$ 1,114 bilhão) ficou 37,5% acima da média até a segunda semana (US$ 810,5 milhões), em razão do aumento nas exportações das três categorias de produtos: básicos (60,2%, por conta de soja em grãos, farelo de soja, petróleo em bruto, minério de ferro, minério de cobre, café em grãos); semimanufaturados (28,2%, em razão de celulose, ferro-ligas, ouro em formas semimanufaturadas, ferro fundido, açúcar em bruto, couros e peles) e manufaturados (18,9%, em função, principalmente, de suco de laranja não congelado, óleos combustíveis, aviões, automóveis de passageiros, veículos de carga, torneiras, válvulas e partes).

Leia mais

Com perdas de US$ 30 bi, indústria quer combater barreiras comerciais

CNI vai entregar sugestões sobre o tema a candidatos à Presidência

O setor industrial brasileiro é afetado diretamente por pelo menos 16 tipos de barreiras comerciais, sendo 12 não-tarifárias e quatro tarifárias, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com a entidade, que encomendou uma pesquisa sobre o assunto para a Fundação Getúlio Vargas (FGV), somente no ano passado exigências sanitárias e fitossanitárias requeridas por outros países reduziram em US$ 30 bilhões as exportações brasileiras de produtos e serviços.

Para enfrentar o problema, a organização elaborou um documento chamado Agenda de Barreiras Comerciais e aos Investimentos, que será apresentado aos candidatos à Presidência, com propostas de quatro medidas administrativas por parte do governo. Entre elas, a criação de um comitê interministerial de acompanhamento; a redução de impostos para contratação de serviços jurídicos especializados em questões comerciais no exterior e a criação de um cargo de adido comercial em embaixadas brasileiras de países considerados estratégicos.

Leia mais

Influência dos consumidores cresce e modifica a produção

Relações entre produtores e consumidores influi na qualidade e intensidade da produção

Apesar de o Brasil ainda ser um país de baixa escolaridade (51% concluiu apenas o ensino fundamental e há elevado índice de analfabetismo funcional), o ativismo dos consumidores deve crescer nas próximas décadas em razão de seu maior acesso a informações por meio das mídias sociais: 61% dos produtores já usam smartphones e o whatsapp já é o principal meio de comunicação na zona rural, utilizado por 96% dos produtores com acesso à internet. A avaliação faz parte do estudo da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Visão 2030 o Futuro da Agricultura Brasileira, que trata também dos riscos, desafios e temas como a sustentabilidade.

Em mercados com diferenças acentuadas entre as classes sociais como o brasileiro, o protagonismo dos consumidores tende a ser liderado pelas classes com maior poder de compra. Ainda assim, análises mostram que consumidores brasileiros de classe média baixa também valorizam características dos alimentos que vão além do preço, tais como sabor e qualidade nutricional, diz o estudo.

Leia mais

Exportações do agro em maio alcançaram US$ 9,97 bilhões

O mês tradicionalmente concentra os embarques de soja. Mesmo assim, alta foi de 3% sobre igual período do ano passado

De janeiro a maio, o agronegócio foi responsável por 43,1% do total das exportações brasileiras

As exportações brasileiras de produtos do agronegócio atingiram US$ 9,97 bilhões em maio, 3% acima do valor registrado em igual mês do ano passado. O aumento é atribuído à elevação de 1,3% no índice de preço e de 2% na quantidade. Para meses de maio, foi o terceiro maior valor da série histórica iniciada em 1997, situando-se abaixo apenas de 2012 e 2013.

O montante representa 51,8% das exportações totais brasileiras, superando o percentual de maio do ano passado, de 48,9%. A sazonalidade do escoamento da soja, cujo auge normalmente é atingido nesse período, explica o elevado montante registrado na exportação do mês.

As importações caíram 16,5%, recuando de US$ 1,30 bilhão para US$ 1,08 bilhão em maio deste ano. Como consequência, o superavit passou de US$ 8,38 bilhões para US$ 8,88 bilhões, o segundo maior saldo da série histórica, para meses de maio, muito próximo do registrado em 2012, de US$ 8,92 bilhões.

Leia mais

Relação com União Europeia vai endurecer, afirma Maggi

O ministro participou de audiência no Senado onde foi abordado o impacto de atividades da BRF em Goiás

Depois de participar de audiência na Comissão de Agricultura do Senado sobre a suspensão da importação de aves brasileiras por parte da União Europeia, o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse que a relação com o bloco europeu vai mudar, deixando para trás “um comportamento apenas reativo”. Maggi informou já ter conversado com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, sobre o assunto e, usando uma expressão popular, comentou que, “agora, será uma no prego outra na ferradura”.

O deslistamento de frigoríficos que exportavam carnes de aves para o bloco europeu, de acordo com o ministro, ainda tem etapas a serem superadas até que seja revertido. Maggi lembrou que da última missão realizada em janeiro por técnicos europeus até agora não foi enviado relatório com informações sobre o resultado da visita. “Fizeram uma grande incursão no país, visitaram vários frigoríficos, várias granjas e a impressão que nos deixaram foi muito positiva comparada com uma missão anterior”, afirmou.

Leia mais

Balança comercial: duas primeiras semanas de junho têm superávit de US$ 914 milhões

No ano, as vendas ao exterior somam US$ 98,481 bilhões e as compras externas, US$ 73,393 bilhões, com saldo positivo de US$ 25,088 bilhões

Com seis dias úteis, as duas primeiras semanas de junho tiveram superávit de US$ 914 milhões – resultado de exportações de US$ 4,849 bilhões e importações de US$ 3,935 bilhões. No ano, as vendas ao exterior somam US$ 98,481 bilhões e as compras externas, US$ 73,393 bilhões, com saldo positivo de US$ 25,088 bilhões.

Nas exportações, comparadas as médias até a segunda semana de junho (US$ 808,2 milhões) com a de junho do ano passado (US$ 941,9 milhões), houve queda de 14,2%, em razão da diminuição nas vendas de semimanufaturados (-26%, em razão de açúcar em bruto, ouro em formas semimanufaturas, celulose, ferro-ligas e ferro fundido bruto) e produtos básicos (-23,8%, por conta de petróleo em bruto, carnes de frango e bovina, farelo de soja, minério de ferro, milho em grãos). Os produtos manufaturados tiveram aumento (4,5%, por conta de óxidos e hidróxidos de alumínio, reboques, semirreboques e partes, máquinas e aparelhos de terraplanagem, tubos flexíveis de ferro e aço e obras de mármore e granito). Em relação a maio, houve queda de 11,8%, em virtude da redução nas vendas de produtos básicos (-33,4%) e semimanufaturados (-7,8%) enquanto que aumentaram as exportações de produtos manufaturados (30%).

Leia mais

Canal Brazil Export

Outros
  • Fruit Attraction 2016
  • Viernes 17 de Octubre
  • Jueves 16 de Outubro
  • Miércoles 15 de Outubro